Choque de realidade

CPHzBGSWgAECJZ6
Foto: Reprodução/Twitter.

Não. O Flamengo não vai ser heptacampeão brasileiro em 2015. A derrota sofrida para o Coritiba na noite desta quinta-feira (18/09) foi dolorida, mas serviu para recolocar as coisas em seus devidos lugares no clube que sofre por lidar diariamente com os extremos. O Flamengo tem, sim, time para ser campeão brasileiro, mas só foi descobrir isso no returno do campeonato, da mesma forma que o Corinthians tem, mas conseguiu provar cedo, acumulando gordura para queimar na reta final da competição.

O diagnóstico, apesar de mostrar uma realidade um pouco decepcionante, não tem nada de ruim. Pelo contrário, o elenco que tinha tudo para encerrar o ano em agosto está brigando em cima, de igual pra igual com os que desde o início eram tratados como favoritos. Hoje, o foco é no terceiro lugar, feito inimaginável para quem esperava terminar em um meio de tabela e planejar um bom time para 2016.

O “feliz ano novo” foi adiado para 6 de dezembro, data pra lá de especial: a mesma do hexacampeonato na vitória por 2 x 1 sobre o Grêmio, em 2009. Neste ano, o adversário da última rodada será o Palmeiras, maior rival do provável líder na ocasião. Coincidências da bola à parte, o Maracanã deve estar lotado novamente, como em 2009, mas não para a volta olímpica. Sim para coroar a campanha de um time aguerrido, que vem mostrando que um trabalho bem feito é premiado dentro do campo.

O tropeço contra o Coritiba nada mais foi do que normal. Frustrante, pelo fato do adversário ser um dos postulantes a cair para a segunda divisão. Mesmo assim, normal. Após seis vitórias consecutivas, o “bonde freou”, como também aconteceu com os dois líderes. A diferença, porém, está em quem faz a diferença. No mesmo dia em que quebrou o recorde de público nacional da temporada, o Flamengo foi vaiado ainda no primeiro tempo. Não porquê mereceu, mas porque causou expectativas além do que deveria.

Na Gávea, o céu e o inferno parecem ser bem mais próximos do que realmente são. Escrevo este texto, hoje, como um rubro-negro realista. Um pouco frustrado, mas ciente das forças que o Flamengo tem. Levado, pela razão, a acreditar que o foco maior, e já muito audacioso, é o de entrar na Libertadores sem ter que passar pela pré. Mas basta vencer novamente algumas partidas seguidas para que o hepta volte a ser “logo ali”. Mais improvável do que nunca e mais possível do que para todos os outros.

Saudações rubro-negras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *